• Baía de Paranaguá
  • Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina

Destaques

14/03/2014

Porto de Paranaguá é dragado por três equipamentos, ao mesmo tempo

Esta semana, duas outras dragas, uma chinesa e outra holandesa, se juntaram à Xin Hai Niu, para dragar os portos paranaenses. Estão em obra a bacia de evolução, os berços e o canal de acesso. Concluídos os trabalhos no Porto de Paranaguá, dragagem será feita em Antonina

   A terceira etapa do programa de dragagem de regularização dos portos paranaenses, que teve início no último mês de novembro, segue em ritmo intenso e alguns trechos já entram em fase de conclusão. Esta semana, o trabalho da draga chinesa Xin Hai Niu, no Porto de Paranaguá, ganhou o reforço de outras duas dragas: a holandesa Elbe e a também chinesa Hang Jun. Ao mesmo tempo, os três equipamentos trabalham para retirar um total de quase 7, 7 milhões de metros cúbicos de sedimentos. O prazo de conclusão da obra é de 13 meses.

   A maior campanha de dragagem da história dos portos paranaenses somente poderia ser realizada com um grande parque de dragas. A preocupação do Governo do Estado é não apenas executar a obra em menor tempo, para minimizar os impactos nas operações portuárias, mas principalmente realizar a obra com excelência. “Estamos exigindo da empresa responsável pela dragagem um trabalho de qualidade e excelência, porque entendemos os benefícios de se ter portos dragados, tanto para a segurança da navegação quanto para a produtividade dos terminais e operadores que atuam no Paraná”, afirma o secretário de Estado de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

   Como explica o superintendente dos Portos do Paraná, Luiz Henrique Dividino, a dragagem tem que ocorrer sem que as operações dos portos sejam paralisadas. “Por isso, esperamos a compreensão de todos os operadores, agências marítimas e demais empresas que operam pelos portos do Paraná. Estamos com três equipamentos trabalhando, simultaneamente, para garantir, além de qualidade, agilidade nessa campanha de dragagem, principalmente nos berços de atracação”, afirma.

   Ainda segundo Dividino, até a próxima semana, se tudo correr como o previsto, todos os berços estarão dragados, livres para operar com plena capacidade.

Equipamentos
- A draga Xin Hai Niu, a maior, com capacidade de cisterna de dez mil metros cúbicos, já concluiu a dragagem da bacia de evolução (de profundidade de 12 metros, de onde foram retirados cerca de 1,3 milhão de metros cúbicos de sedimentos) e atualmente trabalha no canal de acesso ao Porto de Paranaguá. Este trabalho no canal externo, de profundidade entre 13 e 15 metros, foi dividido em três etapas (por áreas Bravo 2, Bravo 1 e Alfa). Na primeira etapa, a atual, serão dragados 200 mil metros cúbicos. No total, nessa área externa, serão 2,5 milhões de metros cúbicos removidos.

   Desde a última quarta-feira (12), a draga Elbe, com capacidade de 2,8 mil metros cúbicos, está dragando os berços de atracação do Porto de Paranaguá. Esta semana, a obra está nos berços 209 (no centro) até o final do TCP (217). Em seguida, o equipamento vai trabalhar nos berços 208 ao 201. A previsão, nesta etapa, é retirar 200 mil metros cúbicos, em uma semana de trabalho. Na sequência, a draga segue para o píer de inflamáveis e, então, para o Porto de Antonina. As profundidades dos berços, que serão restabelecidas, variam de oito a 13 metros.

   Também na última quarta, a draga Hang Jun, com capacidade de cisterna de cinco mil metros cúbicos, chegou para fazer a bacia de evolução do píer de inflamáveis, canal do Surdinho (canal alternativo, com profundidade de 12 metros), e o Porto de Antonina (profundidade de nove metros).

   Segundo o Engenheiro Pedro Gabriel Villaça, da DTA Engenharia, empresa responsável pela obra, esta é a primeira vez que três dragas Hopper são disponibilizadas para um único contrato. “Ao colocar três dragas para trabalhar, atendemos todas as solicitações dos Portos do Paraná, simultaneamente. O Porto de Paranaguá tem muitas prioridades, em áreas distintas, por isso, não podemos deixar nenhuma área sem a atenção e o cuidado necessários”, afirma Villaça, que é o Gerente de Contrato que atende a Appa.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.