• Baía de Paranaguá
  • Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina

Perguntas e respostas

O que é a dragagem?
É um serviço de retirada de sedimentos do fundo do mar nas áreas de navegação de portos, constituída pelo cais de atracação de navios, espaços para manobras (bacia de evolução) e canal de acesso aos portos. 

Por que ela é necessária?
Para facilitar a navegação com segurança nas áreas do porto e seu entorno. Permite também a ampliação dos acessos aquaviários ao porto, adaptando o mesmo às dimensões das embarcações que vem aumentando com a evolução da logística. A infraestrutura portuária precisa constantemente se adaptar à modernização da frota internacional de navios, principalmente quanto ao calado e o comprimento destes. 

Quais serão as áreas a serem dragadas?
Serão dragados o canal de acesso, a bacia de evolução e os berços comerciais do porto de Paranaguá. Em Antonina, a dragagem será feita no canal de acesso. Os trechos abrangidos são: Alfa, Bravo 1, Bravo 2, Charlie 1, Charlie 1 Surdinho, Charlie 2, Charlie 3 Interna, Charlie 3, Delta 1 e Delta 2. 
Serão utilizadas três dragas autotransportadoras do tipo Hopper. A draga Hang Jun, Xin Hai Niu e a Sucuri. O volume total a ser dragado será de 7.691.000 m³. 

Onde serão colocados os sedimentos retirados do fundo do mar?
A área de descarte fica distante das praias e está localizada a mais de 20 km da Ilha da Galheta e da Ilha do Mel. A área foi definida, após estudos, como a mais indicada para a dispersão do material dragado sem retorno para as praias ou prejuízos para a pesca. 

Quanto tempo vai durar os trabalhos?
As obras tem previsão para serem executadas em 11 (onze) meses. 

Quais são os possíveis impactos?
Os possíveis impactos serão temporários e pontuais, previstos somente durante o período de dragagem. Poderá ocorrer aumento temporário da turbidez na água e afugentamento de peixes. No entanto, nas campanhas anteriores tais impactos não ocorreram, não prejudicando a atividade pesqueira. 

O que a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina tem feito para minimizar estes impactos?
Durante o tempo da dragagem (11 meses) não haverá restrições de navegação no canal nem das atividades de pesca. A navegação manterá as restrições existentes na atualidade, nas áreas entre bóias já consideradas pela Marinha, fazendo com que os procedimentos de entrada e saída de navios permaneçam inalterados, apenas obedecendo alguns cuidados adicionais de segurança.
Os programas ambientais previstos para o monitoramento das atividades incluem o monitoramento da atividade pesqueira, da qualidade das águas, dos sedimentos, da biota aquática, da dispersão da pluma de sedimentos, dos parâmetros oceanográficos e do volume dragado e do lançamento dos sedimentos na área de descarte. Também serão realizados levantamentos batimétricos (medição da profundidade da área dragada), gerenciamento dos resíduos sólidos e efluentes gerados durante a dragagem, além dos programas de comunicação social e educação ambiental.
Os monitoramentos ambientais ocorrerão antes, durante e após as atividades, garantindo a qualidade ambiental do empreendimento e das demais atividades marítimas.
Recomendar esta página via e-mail: